Temos 23 visitantes e Nenhum membro online

Notícias

Nosso próximo Seminário Pietro Ubaldi, em Belo Horizonte, será apenas em fevereiro de 2018, uma vez que em agosto deste realizaremos o XXII Congresso Brasileiro Pietro Ubaldi em BH. Aguarde informações oportunamente no Menu "Seminários". 

 Atenção: veja AQUI nossa programação de cursos para 2017. Participe!

Nosso CEU-BH agora tem uma sede própria, onde realizamos cursos desde 2016: Av. Picadilly 55, Center I, sala 210, Centro Comercial Alphaville Lagoa dos Ingleses, Nova Lima, MG.

O XXII Congresso Brasileiro Pietro Ubaldi será em BH, nos dias 25 e 26 de agosto de 2017. No dia 27, pela manhã, haverá, como bônus, um momento de bate-papo com os palestranres para quem desejar.     Reserve já em sua agenda.         Clique na figura ao lado para mais informações, ou acesse: XXII CONGRESSO BRASILEIRO 

 

 

 

Imprimir

VII

MENSAGEM DA NOVA ERA

Pietro Ubaldi (Natal de 1953)

No silêncio da noite santa, como te falei pela primeira vez para iniciar a obra, volto a falar-te agora, após tantos anos. Retorno em meu ritmo decenal, iniciado na Páscoa de 1933 com a “Mensagem aos Homens de Boa Vontade” e a “Mensagem aos Cristãos” e prosseguindo na Páscoa de 1943 com a Mensagem da Paz.

Desta vez, dez anos depois, neste 1953, volto a falar-vos, porém no Natal, porque este é dia de nascimento e esta é a Mensagem nova: no Natal, como aconteceu em 1931, porque, após todas as outras Mensagens pascais, esta é a que conclui a série.

Venho trazer-vos a palavra da esperança, porque no caos do mundo estão despontando as novas e primeiras luzes da alvorada. O tempo caminha e já entrastes na segunda metade do século, quando se realizará o que foi predito em minha primeira mensagem , no Natal de 1931.

Haveis entrado, assim, na fase de preparação ativa da nova civilização.

Venho falar-vos na hora assinalada pelo ritmo que preside ao desenvolvimento ordenado dos acontecimentos, de acordo com a vontade do Alto.

O trabalho avançou, firme e constante, nestes vinte anos que estão terminando, através de tempestades que destruíram nações e modificaram o mapa político do mundo; avançou, a tudo resistindo, constante e firme, como sucede com as coisas desejadas pela Alto. O trabalho prosseguiu, escondido no silêncio, protegido pela sombra da indiferença geral, aparentemente confiado a um homem pobre e sozinho, com mínimos recursos humanos, vencendo apenas com as forças da sinceridade e da verdade, da maneira mais humilde e simples, enquanto as vossas maiores organizações humanas se desmoronavam. Hoje o milagre se cumpriu. Esta é para nós a prova de verdade.

Tendes hoje diante dos olhos um sistema completo, que com um princípio unitário soluciona todos os problemas e traz resposta a todas as perguntas. Tendes hoje a orientação que vos fornece a chave para explicar os enigmas do universo. Podeis usá-la, desde já, também pessoalmente, para continuar a pesquisa ao infinito no particular analítico. As gerações passarão, contemplando a ciclópica construção de pensamento elevada para o Alto na hora do destino do mundo.

Do vértice da pirâmide uma luz resplandecerá para iluminar o mundo: esta luz se chama Cristo.

E as gerações caminharão, caminharão pela interminável estrada do tempo e verão de longe o farol que lhes indica o roteiro. E uns aos outros o indicarão, dizendo: “Coragem”. Áspera é a dor e longa a estrada da evolução, mas temos um condutor. Do Alto, o Cristo nos olha e nos fala. Não estamos sozinhos. Ele está conosco. A Seus pés, como pedestal, está a pirâmide do conhecimento, feita de pensamento, que é a Sua luz.

À fase mais elementar da fé sucedeu a fase mais avançada do conhecimento, com que se completa o amor. E, com o conhecimento, Cristo retorna à Terra para realizar o Seu Reino, há vinte séculos fundado.

O ritmo das Mensagens teve início no Natal de 1931, continuou no de 1932 e terminou na Páscoa de 1933 (No XIX centenário da morte de Cristo), só reaparecendo depois em ritmo decenal.

A primeira mensagem apareceu no final de 1931, como o Corpo de Cristo foi sepultado na tarde da Sexta-feira Santa. As Mensagens continuaram a aparecer em 1932, como o Corpo de Cristo continuou a jazer no sepulcro no Sábado Santo. Terminaram com a última mensagem, na Páscoa de 1933, centenário de Sua morte, como seu Corpo ressuscitou na alvorada do 3º dia. Retornaram depois em um ritmo de dez anos e agora completam vinte anos, equivalentes aos vinte séculos transcorridos desde então.

Indico-vos estas harmonias, para fazer-vos compreender sua significação. Meu instrumento as ignorava e não as poderia ter projetado, pois o Alto não lhas havia dado a conhecer. O que é harmônico desce do Alto, o que é dissonância provém de baixo.

Esta Mensagem de hoje corresponde ao fim do II Milênio e vos lança nos braços do terceiro, da nova civilização. Isso corresponde ao terceiro dia, na aurora do qual se deu a Ressurreição.

Que esta imprevisível concordância de ritmos, que esta musicalidade também na forma da gênese da obra, constituam para vós uma prova da verdade.

Esta mensagem vos lança nos braços do III Milênio: por isso é ela a Mensagem da Nova Era. O mundo materialista está freneticamente lutando pela sua autodestruição. O dragão será morto pelo seu próprio veneno.

A vida, que jamais morre, está a preparar-se para substituir o mundo velho pelo novo: o reino do espírito, em cuja realização Cristo triunfará. A humanidade tem esperado dois mil anos pela Boa Nova, mas finalmente chegou a hora de sua realização. A vida se utilizará das tempestades que as forças do mal se preparam para desencadear, a fim de purificar-se. Aproveitar-se-á da destruição para reconstruir em nível mais alto.

Repito, assim, a palavra da primeira Mensagem do Natal de 1931: “A destruição é necessária (...) Um grande batismo de dor é necessário, a fim de que a humanidade recupere o equilíbrio, livremente violado: grande mal, condição de um bem maior. Depois disso, a humanidade, purificada, mais leve, mais selecionada por haver perdido seus piores elementos, reunir-se-á em torno dos desconhecidos que hoje sofrem e semeiam em silêncio; e retomará, renovada, o caminho da ascensão. Uma nova era começará; o espírito terá o domínio e não mais a matéria, que será reduzida ao cativeiro (...)”.

Encontrais, assim, as mesmas palavras, no princípio como no fim. Hoje, porém, estais vinte anos mais avançados no tempo, isto é, na maturação dos acontecimentos. Hoje vos encontrais na plenitude dos tempos. Aquela idéia, desenvolvida através das trilogias da obra, se encaminha para tornar-se realidade.

A luciferiana revolta do ateísmo materialista está para desfechar contra Deus sua última batalha desesperada pelo triunfo absoluto, supremo esforço que redundará em sua ruína total. E Deus fará ver à humanidade aterrorizada, para o bem dos homens, que Ele somente é o senhor absoluto.

Estais ainda imersos em cerradas neblinas. Mas, além delas já brilha o Sol que está para despontar e inundar o mundo de luz e calor. A outra margem do novo Reino está próxima e a humanidade se prepara para nela desembarcar. O novo continente já aparece aos olhos do navegante experimentado e a humanidade, após a grande viagem de dois milênios, pode gritar — “terra, terra!”.

Por isso, esta se pôde chamar a Mensagem da Nova Era, porque não mais vem anunciar a Boa Nova, mas a sua realização.

Como tudo, até aqui, se cumpriu em ritmo inexorável, igualmente tudo continuará a cumprir-se. Com esta segunda Mensagem decenal é coberto o período do II Milênio, encerrou-se o ritmo preparatório do terceiro dia da Ressurreição, quanto do III Milênio.

Agora, que vos conduzo até aqui, às portas do novo milênio, com esta mensagem o ciclo das mensagens está concluído. Esse ciclo precedeu e acompanhou a Obra, que agora continua no hemisfério oposto àquele em que se iniciou, desenvolvendo-se nas praias das novas terras onde nascerão as novas grandes civilizações do futuro.

A pirâmide aí está. Sua última pedra já foi colocada. Enquanto o mundo caminha, sempre mais, para o cumprimento, já agora fatal, do seu desejado destino, sobre aquela pedra pousarão os pés e se elevará a figura de Cristo que, flamejante, iluminará qual farol a estrada dos viandantes em busca de luz, para orientá-los através do longo caminho das ascensões humanas.

Tende fé, tende certeza. A Nova Era vos aguarda. Na imensa luta, Cristo é o mais forte e Ele estará convosco e com todos aqueles que nele creem.

TOP